terça-feira, 8 de maio de 2018

Poda Cruel no Coração




1 Imagem, 140 Caracteres # 241



Hoje o dia amanheceu em festa no céu e em  meu coração pois o senhor se preocupa se recebo amor cá na Terra!

I

Seu nascimento foi ímpar,
Nasceu rodeado de mais dois,
Naqueles idos tempos, não era rarear.
A emoção não se guardava para depois:
Ser trigêmeo era  uma sensação,
Emocionava todo e qualquer coração,
Minha avó firme aguentou, 
Foi podada na decisão.
Esperou mais, os criou.


Um fato inédito para o século passado... trigêmeos era raridade... e eles foram os trigêmeos mais velhos do Brasil há 9 anos ( meu pai,.o  último a partir)... Quando nasceram cabiam numa caixinha de sapato, cada um...


II

Poda dolorida, dilacerante,
Quase uma morte causticante.
Corte cruel fez em mim a vida...
Foi-se embora em meus bracos, tolhida!
Eu quase não acreditei, tombei rendida...
Tive também  doloroso fim,
Naquele dia, esmagada,
Fui muito, na minha alegria, podada
Foi cortado um pedaço de mim.

Meu pai Amado faria 94 anos hoje...
Foi-se aos 85...
Era alegria grande o mês de maio para mim...
Filha e pai aniversariantes...
Mês de Maria...
Para o senhor, uma bacalhoada neste dia se fazia...
Tudo que o Senhor gostava, eu gosto...
Gosto de declamar poesias...
Emociono até, mas não como o senhor, meu pai... jamais!

Posto abaixo a que o senhor mais gostava e lacrimejava... emocionava...
Mas sei que está bem agora,  Pai... Tenho certeza, toda tristeza se foi... digo em relação ao que o senhor não podia mudar, pois a alegria e seu humor nordestino nunca se extinguiram...


Ontem fotografei estes dois  cães... pousaram para mim... imóveis...
Saudade de ti...
Seria festa hoje, pois a festa era o senhor!
Enquanto o senhor viveu, éramos eu e o senhor metidos numa jaula... podados...
Mas os laços do nosso amor que ninguém podia matar nos deixavam livres para voar pela força da imaginação...


Eu tive um cão. Chamava-se Veludo:
     Magro, asqueroso, revoltante, imundo,
     Para dizer numa palavra tudo
     Foi o mais feio cão que houve no mundo

     Recebi-o das mãos dum camarada.
     Na hora da partida, o cão gemendo
     Não me queria acompanhar por nada:
     Enfim - mau grado seu - o vim trazendo.

     O meu amigo cabisbaixo, mudo,
     Olhava-o ... o sol nas ondas se abismava....
     «Adeus!» - me disse,- e ao afagar Veludo
     Nos olhos seus o pranto borbulhava.

     «Trata-o bem. Verás como rasteiro
     Te indicarás os mais sutis perigos;
     Adeus! E que este amigo verdadeiro
     Te console no mundo ermo de amigos.»

     Veludo a custo habituou-se à vida
     Que o destino de novo lhe escolhera;
     Sua rugosa pálpebra sentida
     Chorava o antigo dono que perdera.

     Nas longas noites de luar brilhante,
     Febril, convulso, trêmulo, agitado
     A sua cauda - caminhava errante
     A luz da lua - tristemente uivando

Talvez tenham razão estes senhores.
     Toussenel: Figuier e a lista imensa
     Dos modernos zoológicos doutores
     Dizem que o cão é um animal que pensa:
     Talvez tenham razão estes senhores.

     Lembro-me ainda. Trouxe-me o correio,
     Cinco meses depois, do meu amigo
     Um envelope fartamente cheio:
     Era uma carta. Carta! era um artigo

     Contendo a narração miúda e exata
     Da travessia. Dava-me importantes
     Notícias do Brasil e de La Plata,
     Falava em rios, árvores gigantes:

     Gabava o steamer que o levou; dizia
     Que ia tentar inúmeras empresas:
     Contava-me também que a bordo havia
     Mulheres joviais - todas francesas.

     Assombrava-me muito da ligeira
     Moralidade que encontrou a bordo:
     Citava o caso d’uma passageira...
     Mil coisas mais de que me não recordo.

     Finalmente, por baixo disso tudo
     Em nota breve do melhor cursivo
     Recomendava o pobre do Veludo
     Pedindo a Deus que o conservasse vivo.

     Enquanto eu lia, o cão tranquilo e atento
     Me contemplava, e - creia que é verdade,
     Vi, comovido, vi nesse momento
     Seus olhos gotejarem de saudade.

     Depois lambeu-me as mãos humildemente,
     Estendeu-se a meus pés silencioso
     Movendo a cauda, - e adormeceu contente
     Farto d’um puro e satisfeito gozo.

     Passou-se o tempo. Finalmente um dia
     Vi-me livre d’aquele companheiro;
     Para nada Veludo me servia,
     Dei-o à mulher d’um velho carvoeiro.

     E respirei! «Graças a Deus! Já posso»
     Dizia eu «viver neste bom mundo
     Sem ter que dar diariamente um osso
     A um bicho vil, a um feio cão imundo».

     Gosto dos animais, porém prefiro
     A essa raça baixa e aduladora
     Um alazão inglês, de sela ou tiro,
     Ou uma gata branca sismadora.

     Mal respirei, porém! Quando dormia
     E a negra noite amortalhava tudo
     Senti que à minha porta alguém batia:
     Fui ver quem era. Abri. Era Veludo.

     Saltou-me às mãos, lambeu-me os pés ganindo,
     Farejou toda a a casa satisfeito;
     E - de cansado - foi rolar dormindo
     Como uma pedra, junto do meu leito.

     Praguejei furioso. Era execrável
     Suportar esse hóspede importuno
     Que me seguia como o miserável
     Ladrão, ou como um pérfido gatuno.

     E resolvi-me enfim. Certo, é custoso
     Dizê-lo em alta voz e confessá-lo
     Para livrar-me desse cão leproso
     Havia um meio só: era matá-lo

     Zunia a asa fúnebre dos ventos;
     Ao longe o mar na solidão gemendo
     Arrebentava em uivos e lamentos...
     De instante em instante ia o tufão crescendo.

     Chamei Veludo; ele seguia-me. Entanto
     A fremente borrasca me arrancava
     Dos frios ombros o revolto manto
     E a chuva meus cabelos fustigava.

     Despertei um barqueiro. Contra o vento,
     Contra as ondas coléricas vogamos;
     Dava-me força o torvo pensamento:
     Peguei num remo - e com furor remamos

     Veludo à proa olhava-me choroso
     Como o cordeiro no final momento,
     Embora! Era fatal! Era forçoso
     Livrar-me enfim desse animal nojento.

     No largo mar ergui-o nos meus braços
     E arremessei-o às ondas de repente...
     Ele moveu gemendo os membros lassos
     Lutando contra a morte. Era pungente.

     Voltei à terra - entrei em casa. O vento
     Zunia sempre na amplidão profundo.
     E pareceu-me ouvir o atroz lamento
     De Veludo nas ondas moribundo

     Mas ao despir dos ombros meus o manto
     Notei - oh grande dor! - haver perdido
     Uma relíquia que eu prezava tanto!
     Era um cordão de prata: - eu tinha-o unido

     Contra o meu coração constantemente
     E o conservava no maior recato
     Pois minha mãe me dera essa corrente
     E, suspenso à corrente, o seu retrato.

     Certo caíra além no mar profundo,
     No eterno abismo que devora tudo
     E foi o cão, foi esse cão imundo
     A causa do meu mal! Ah, se Veludo


     Duas vidas tivera - duas vidas
     Eu arrancara àquela besta morta
     E àquelas vis entranhas corrompidas.
     Nisto senti uivar à minha porta.

     Corri, - abri... Era Veludo! Arfava:
     Estendeu-se a meus pés, - e docemente
     Deixou cair da boca que espumava
     A medalha suspensa da corrente.

     Fora  crível, oh Deus? - Ajoelhado
     Junto do cão - estupefato, absorto,
     Palpei-lhe o corpo: estava enregelado;
     Sacudi-o, chamei-o! Estava morto.

(Luís Guimarães)

Eu estive a seu lado no leito do hospital e faleceu em meus braços... lhe agradeci por tudo... não sabia se falava ou chorava... falava em tom alto n]ao porque sabia que ele me ouvia no seu segundo final... e sim porque não me continha... para mim, era só ele e eu...

Nesta manhã, onde amanheci amada no coração, embora nem houvesse ainda me dado conta do dia...
Depois deste refletir todo acima, uma frase sobre um outro tipo de poda com esta imagem da tesoura que nos foi dada a criar algo que nos inspirasse.



III

Numa manhã de inverno frio, me lançou
Deus, de uma barriga sofrida, me podou,
Segurou-me em sua santa Mão.
Vim a este mundo, a esta lida,
Para ser por Ele ser muito querida,
Não posso deixar de ser-Lhe grata,
Sei que sou por eles muito amada.
Tudo unido num coração de pai. Ai!



Um santo em vida, como deve ser!
Ser órfã de pai presente e amoroso dói demais...


(Túnel do tempo...)

Herdei dele o gosto por cachorros... Ele tinha um cavalo também... antes de comprar sua primeira rural azul...

(Rosto da bondade e da paciência)

Obrigada por ter me ensinado o que é o Amor... o senhor amou pelos dois... me amou pelos dois...
Obrigada também porque dois dias após sua partida foi transportado meu primeiro blog para aqui para tentar aliviar meu coração esmagado pela dor da terrível poda... inesquecível!






9 comentários:

  1. Rosélia, quanto amor impregnado nos teus versos. Essas podas...sempre dificeis de entender, ganham um pouco de compreensão conforme o tempo vai passando.Mas o que foi vivido, amado, não se poda, esse tesouro fica conosco para sempre. Bjs

    ResponderExcluir
  2. Instigante história do Veludo! E é uma data de saudade. Dolorosas as podas assim que a vida nos faz! beijos, chica

    ResponderExcluir
  3. Vô Pedro! Pouco tempo conheci mas sua doçura e simplicidade foram contagiantes.

    ResponderExcluir
  4. Uma imagem para renascer tantas lembranças, que no tempo nunca se apagam e crescem como as plantas no jardim da vida sempre bem cuidada pelo Jardineiro Maior. Bonita participação com emoções à flor da pele. Devemos cuidar bem do nosso jardim querida amiga, para que seja admirado por todos quantos se acercarem de nós.
    Uma grande e rica postagem com emoção.
    Um bom e belo fim de semana com paz no coração.
    Beijo de paz e que esteja sempre bem.
    Meu terno abraço.

    ResponderExcluir
  5. Boa noite, Roselia
    A perda de um ente querido dói e machuca.
    Postagem emocionante, querida .
    Um beijinho carinhoso de
    Verem e Bichinhos .

    ResponderExcluir
  6. Roselia, sua participação sempre muito cheia de significados e de ternura!
    Abraço, bom final de semana!
    Sonia

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde minha Amiga,
    Um relato poético emocionante do quanto era grande o amor que unia você e seu saudoso e amado pai!
    Sofri essa poda recentemente e por vezes ainda penso que estou sonhando!
    Mas seu pai e o meu repousam agora o eterno descanso nos braços do Pai!
    Beijinhos e terno abraço.
    Ailime

    ResponderExcluir
  8. Deus cultiva suas preciosas flores com muito amor...mas como excelente Jardineiro, sabe que de vez em quando precisa podá-las para que vicejem com mais força e robustez. A alma se engrandece a cada obstáculo vencido...e assim vamos descobrindo que temos virtudes adormecidas em nós e, mais importante que exterminar nossos defeitos, precisamos fortalecer nossas virtudes.
    Que Deus a ilumine e proteja sempre.
    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  9. Que linda postagem, amiga, pura emoção! Meu relacionamento com meu pai era semelhante, ele faleceu aos 84 e nesse mês, 15 de maio!
    Compreendo você tão bem!!! Conheci o mesmo carinho, o mesmo amor, a mesma proteção. Está guardado do 'lado esquerdo do peito', onde nunca lhe acontecerá nada. Só tem amor.
    Beijo grande!

    ResponderExcluir

Deixe sua amizade aqui.

Leia também...

Related Posts with Thumbnails